Início / Política / Articulador político do governo considera legítimas reclamações do PMDB

Articulador político do governo considera legítimas reclamações do PMDB

O ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais, Pepe Vargas, dá entrevista após reunião com parlamentares, no Palácio do Planalto(Elza Fiúza/Agência Brasil)

PMDB quer contribuir mais do que está contrbuindo, diz o ministro Pepe Vargas Elza Fiúza/Agência Brasil

O ministro de Relações Institucionais, Pepe Vargas, responsável pela articulação política da Presidência da República, disse hoje (25) que o governo tem que fazer um mea culpa em relação à insatisfação do PMDB por falta de espaço nas decisões do Executivo.

Segundo Vargas, as reclamações do PMDB são legítimas e “estão dentro da normalidade” em um governo de coalizão.

Vargas disse que a estratégia do governo para aparar as arestas com o partido será a ampliação do debate, com mais reuniões e mais espaço para ouvir as demandas da legenda. “Temos que, eventualmente, até fazer uma mea culpa se o PMDB está se sentindo efetivamente assim [insatisfeito] e tomar as medidas para que ele possa se sentir mais integrado na definição dessas questões. Encaramos isso com a mais absoluta normalidade e como uma tentativa do PMDB de contribuir mais ainda do que está contribuindo”, ponderou o ministro.

Partido do vice-presidente Michel Temer, o PMDB é o maior da base aliada e comanda as duas casas do Congresso Nacional – Câmara dos Deputados e Senado. Nos últimos dias, líderes peemedebistas têm reclamado publicamente de falta de espaço dentro do governo. Ontem (24), o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), chegou a classificar de “capenga” a coalizão que sustenta o governo da presidenta Dilma Rousseff pela falta de espaço aos aliados.

“Não concordo que está capenga. Como sempre, é preciso haver mais debate, mais conversa, um momento de aperfeiçoamento, e o momento é agora, que é o início de um novo governo”, rebateu Vargas.

O ministro negou que o PMDB tenha condicionado o apoio ao governo, principalmente em votações no Congresso, à indicação de nomes do partido para cargos do segundo escalão. “Não é bem assim. O que o PMDB está dizendo não é que ele quer cargos, o PMDB está dizendo é que quer participar do debate. Ninguém está dizendo que precisa de cargos para apoiar o governo. Estão dizendo: ‘nós queremos ter mais oportunidades de dialogar e de debater as decisões de governo’, e isso é positivo”, disse Vargas.

Comentários

comentários

Veja Também

Publicação da ata da convenção municipal do Partido da República

Publicação da ata da convenção municipal da comissão provisória de Maraú do Partido da República …

Deixe uma resposta

error: Conteúdo pertence ao grupo Maraú Notícias!