Início / Política / Indústria quer apoio do Congresso para medidas de incentivo ao setor

Indústria quer apoio do Congresso para medidas de incentivo ao setor

Um dia depois de se reunir com a presidenta Dilma Rousseff, e com ministros e membros do Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial, o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson

Andrade, pediu hoje (10) apoio do presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL) para aprovar propostas que incentivem o setor.

Segundo Andrade, a indústria necessita de medidas e legislações que possam dar fôlego ao setor produtivo, por meio de redução de custos. Citou como exemplo de legislação que precisa ser modificada o ICMS, que funciona com “guerra” tarifária entre os estados.

“[O funcionamento do ICMS] é um horror e cria uma insegurança jurídica muito grande. [Estamos discutindo para ver se há] alguma alternativa”, destacou o presidente da CNI. Andrade acrescentou que Calheiros vai marcar uma reunião com setor produtivo, que também terá a presença do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para tratar de uma pauta de interesse da indústria.

Apesar de deixar claro que não está esperando nenhum pacote do governo para incentivar o setor, o presidente da CNI demostrou preocupação com a indústria brasileira. “O que o Brasil precisa hoje na realidade é dar competitividade para a exportação. O mundo inteiro está travando uma guerra enorme com relação à produção industrial. Na Europa, o Banco Central Europeu colocou um volume grande de recursos para reativar a economia de alguns países, os Estados Unidos continuam crescendo, a China mesmo tendo diminuído continua crescendo um pouco e esses países estão procurando mercados para colocar os seus produtos”, afirmou .

Para Robson Andrade, o país precisa ter mais condições de competitividade, com um câmbio mais favorável, visando a aumentar as exportações. O empresário declarou apoio às medidas provisórias editadas pelo governo que mudam as regras para benefícios trabalhistas como seguro-desemprego e abono-salarial. “Acho que o governo está certo. Um país que tem um desemprego de menos de 5% não pode gastar R$ 50 bilhões com seguro-desemprego e abono salarial. Há alguma coisa errada: ou temos desemprego maior ou há fraude no sistema”, observou.

 

Comentários

comentários

Veja Também

Publicação da ata da convenção municipal do Partido da República

Publicação da ata da convenção municipal da comissão provisória de Maraú do Partido da República …

Deixe uma resposta

error: Conteúdo pertence ao grupo Maraú Notícias!