Início / Política / Denúncia de ex-funcionária levou à prisão de executivos da Arxo

Denúncia de ex-funcionária levou à prisão de executivos da Arxo

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato, reconheceu, no despacho em que autorizou a prisão de três executivos da Arxo Industrial, aparente ressentimento de uma

ex-funcionária da empresa, demitida antes de denunciar os investigados. No entanto, Moro entendeu que o fato não desacredita as informações prestadas pela testemunha.

De acordo com o Ministério Público Federal, Gilson João Pereira e João Gualberto Pereira, sócios da empresa, e Sergio Ambrosio Marçaneiro, diretor-financeiro, pagavam propina para obter contratos com a BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras. Todos estão presos na Superintendência da Policia Federal em Curitiba.

No dia 16 de janeiro, Cíntia Provesi Francisco procurou o Ministério Público Federal (MPF) voluntariamente para denunciar os executivos. Aos investigadores, ela relatou que a empresa pagava propina de 5% a 10% nos contratos com a BR Aviation, divisão da Petrobras que atua no abastecimento de aeronaves.

Cintia trabalhou na parte financeira da Arxo de janeiro de 2012 a novembro do ano passado. Segundo ela, ao deixar a empresa, negociações de pagamento de propina continuavam em curso.

A ex-funcionária afirmou que os pagamentos ocorriam por meio de Mário Goes, investigado que teve mandado de prisão expedido na nona fase da Operação Lava Jato e está foragido. Para dar aparência de licitude aos contratos, a Arxo usava notas fiscais frias compradas de terceiros, segundo a denúncia.

Ao deferir os pedidos de prisão preventiva dos acusados, o juiz Sérgio Moro entendeu que as declaracões de Cintia são ricas em detalhes e não podem ser desprezadas.

“O relato de Cíntia Provesi Franscisco, por sua vez, além de convergir no ponto com o de Pedro Barusco [ex-gerente da Petrobras], encontra amparo parcial em documentos por ela apresentados e também na prova colecionada pelo Ministério Público Federal, com destaque para os resultados da quebra fiscal. Aparentemente, ela é movida por ressentimento em relação à empresa, que a teria demitido, mas isso não retira o crédito de seu depoimento. Em relação a Mario Goes, aliás, não haveria motivos para ressentimento, já que ele seria intermediador da propina e não empregador da testemunha”, disse Moro.

Segundo o advogado Leonardo Pereima, os sócios da empresa nunca pagaram propina para a Petrobras e não tiveram contato com o ex-gerente da estatal Pedro Barusco e com o ex-diretor de Serviços Renato Duque. Para a defesa, as acusações decorrem apenas de vingança da ex-funcionária do departamento financeiro, demitida por desviar cerca de R$ 1 milhão, segundo ele.

Comentários

comentários

Veja Também

Publicação da ata da convenção municipal do Partido da República

Publicação da ata da convenção municipal da comissão provisória de Maraú do Partido da República …

Deixe uma resposta

error: Conteúdo pertence ao grupo Maraú Notícias!