Início / Política / Sérgio Moro quer justificativa para indicação de agente público como testemunha

Sérgio Moro quer justificativa para indicação de agente público como testemunha

Juiz Sérgio Moro participou do Primeiro Seminário Nacional sobre Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro. Não falou com a imprensa sobre a Operação Lava Jato, disse que legalmente não pode falar sobre casos abertos

Para o juiz Sérgio Moro, o processo judicial não pode gerar constrangimento a agentes públicos sem relação com a investigaçãoFoto Reporter Akemi Nitahara/Agência Brasil

O juiz federal Sérgio Moro,

responsável pelas investigações da Operação Lava Jato, pediu hoje (30) que a defesa do presidente da UTC, Ricardo Pessoa, justifique a necessidade de indicar ministros e parlamentares para prestarem depoimento como testemunhas de defesa nas ações que o executivo responde.

Ontem (29), ao apresentar defesa preliminar à 13ª Vara Federal em Curitiba, a defesa de Pessoa, que está preso, arrolou como testemunhas os deputados federais Arlindo Chinaglia (PT-SP), Paulo Pereira da Silva (SD-SP), Jutahy Júnior (PSDB-BA), Arnaldo Jardim (PPS-SP), que está licenciado, além do ministro da Defesa, Jaques Wagner, e do ex-ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

Por determinação do juiz, a defesa de Ricardo Pessoa deverá, em cinco dias, esclarecer a relevância dos depoimentos das pessoas indicadas e informar se os agentes públicos arrolados têm conhecido dos desvios na Petrobras ou se podem esclarecer algo a respeito.

Segundo Moro, o processo judicial não pode gerar constrangimento a agentes públicos sem relação com a investigação. “Há a possibilidade de que tais testemunhas tenham sido arroladas apenas com propósitos meramente abonatórios, o que não seria justificável, pois testemunha é quem sabe fatos relevantes para o julgamento, ou seja, deve ter conhecimento sobre fatos que são objeto da imputação”, disse.

Na segunda-feira (26), a defesa de Nestor Cerveró, ex-diretor da área Internacional da Petrobras, que também está preso, pediu à Justiça Federal que a presidenta Dilma Rousseff fosse intimada como testemunha de defesa. Ele voltou atrás e logo depois retirou o pedido.

Comentários

comentários

Veja Também

Redução da maioridade penal é o principal tema da semana na Câmara

A votação da redução da maioridade penal de 18 para 16 anos é o principal …

Deixe uma resposta