Início / Política / CPI da Petrobras: Avancini confirma propina para ex-diretores da Petrobras

CPI da Petrobras: Avancini confirma propina para ex-diretores da Petrobras

Em seu depoimento na Comissão parlamentar de Inquérito da Petrobras, o diretor-presidente da construtora Camargo Correa, Dalton Avancini reafirmou o que já tinha dito em sua delação premiada à Justiça Federal. Aos deputados, Avancini confirmou que a empresa pagou R$ 110 milhões em propina aos ex-diretores de Abastecimento, Paulo Roberto Costa e de Serviços, Renato Duque da estatal.

“Foram R$ 47 milhões para o Paulo Roberto Costa e R$ 63 para o Renato Duque. Havia esse compromisso com os diretores”, disse Avancini.

Segundo ele, havia a informação de que Costa era apoiado pelo PP e Duque pelo PT e que 1% do valor de cada contrato era repassado para os partidos. “A informação que a gente tinha era de que existia um partido que apoiava um diretor da área de abastecimento que era o PP que apoiava o diretor [Paulo Roberto] e que na área de serviços [Renato Duque] o PT, completou. Porém o executivo disse desconhecer quem seriam os destinatários da propina.

Avancini que confirmou ainda que o doleiro Alberto Youssef se apresentava como operador do PP. disse que a propina era paga a partir do superfaturamento de contratos com a estatal. “Dentro da Camargo, esse valor que era atribuído como propina, era incluído no preço final que eu repassava para a Petrobras”, disse.

Avancini negou ainda que o pagamento de propina tenha sido feito por meio de doações a partidos. Perguntado se o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto havia pedido R$ 10 milhões de propina por meio doação de campanha, o diretor-presidente declarou ter sido procurado pelo vice-presidente da Camargo, Eduardo Leite, para tratar da questão. “O Eduardo me repassou que foi procurado por Vaccari e me repassou a demanda. Mas isso não foi pra frente porque não era prática da empresa pagar propina por meio de doação de campanha”.

Sobre a dinâmico do pagamento de propinas, Avancini informou que era um sistema “complexo” e que em alguns casos a propina chegava a sair dos cofres da Camargo. “A empresa assina o contrato, mas se o empreendimento deu prejuízo, aí sai do bolso da empresa. Em outros, a gente fecha o contrato e o valor da obra sai abaixo do contrato, aí [a propina] sai do contrato”, explicou.

Sem muitas novidades, o executivo confirmou a existência do cartel de empreiteiras que combinavam os preços e os vencedores das licitações da Petrobras. Avancini disse ainda que, apesar dos mecanismos de licitação da Petrobras serem rígidos, a estatal poderia ter criado instrumentos para impor a concorrência entre essas empresas. Durante sua presidência, a Camargo Corrêa venceu licitações para obras na Refinaria Getúlio Vargas (Repar) e na Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.

Além de Avancini, estava previsto para esta quarta-feira o depoimento do ex-diretor da Galvão Engenharia, Erton Fonseca, que não compareceu alegando dor de dente. Ainda não há nova data para a oitiva do executivo. Avancini e Fonseca estão em prisão domiciliar e são monitorados por uma tornozeleira eletrônica.

Comentários

comentários

Veja Também

Publicação da ata da convenção municipal do Partido dos Trabalhadores

Publicação da ata da convenção municipal da comissão provisória de Maraú do Partido dos Trabalhados …

Deixe uma resposta

error: Conteúdo pertence ao grupo Maraú Notícias!