Início / Política / Centrais defendem que flexibização do fator previdenciário seja aprovada

Centrais defendem que flexibização do fator previdenciário seja aprovada

O senador Paulo Paim (PT-RS) defendeu hoje (18) a flexibilização do fator previdenciário. Regra em vigor há quase 16 anos, o fator previdenciário reduz o valor das pensões para desestimular as aposentadorias precoces.

Segundo Paim, a emenda que constava da Medida Provisória (MP) 664, aprovada na semana passada, pela Câmara dos Deputados, não representa a situação ideal para os trabalhadores, mas constitui “alternativa viável”.

Pela regra, a mulher se aposenta quando a soma de sua idade e 30 anos de contribuição for 85 e, no caso do homem, quando a soma da idade e 35 anos de contribuição somar 95. Por essa fórmula, a aposentadoria seria integral em relação ao salário de contribuição.

“Estou animado. Não acredito que a presidenta Dilma vá vetar [a proposta]. Essa é uma emenda positiva”, disse Paim para representantes de várias centrais sindicais durante audiência da Comissão de Direitos Humanos do Senado. Lembrou que, durante a campanha presidencial, o fim da regra atual foi um compromisso assumido pela então candidata Dilma Rousseff e também pelo então candidato Aécio Neves.

Representantes da Confederação de Servidores Públicos do Brasil (CSPB), do Fórum Sindical dos Trabalhadores (FST) e da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) se manifestaram a favor da fórmula e pediram que os senadores aprovem a proposta. “Admitir a continuidade desse inferno [fator previdenciário] é perpetuar uma injustiça que, em momento algum, cumpriu com seu objetivo: a redução do déficit foi pífia. A Previdência [Social] deixou de ser uma esperança de segurança para se transformar em penalidade aos aposentados”, disse a representante da Confederação dos Servidores Públicos do Brasil (CSPB), Cynthia Rangel. 

O representante da Associação dos Auditores Fiscais do Trabalho, Floriano Martins de Sá Neto, contestou as informações de que a seguridade social seja deficitária. Segundo ele, não existe o déficit previdenciário proclamado pelo governo. O senador Telmário Mota (PDT-RR) lembrou que, na Câmara, o PDT fechou questão em torno da aprovação da emenda. Segundo ele, no Senado, “não será diferente”.

Comentários

comentários

Veja Também

Dilma conversa com empresários brasileiros formas de ampliar relações com EUA

Idioma Português, Brasil fonte: Agência Brasil – Política Comentários comentários

Deixe uma resposta

error: Conteúdo pertence ao grupo Maraú Notícias!