Início / Política / Em CPI, especialistas apresentam propostas para diminuir homicídios no país

Em CPI, especialistas apresentam propostas para diminuir homicídios no país

Representantes de associações de segurança pública apresentaram hoje (14) propostas para a redução da taxa de homicídios no país na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Câmara dos Deputados que investiga a violência contra jovens negros e pobres.

Uma das soluções apontadas foi a implantação no Brasil do modelo chamado de polícia de ciclo completo, que consiste na atribuição à mesma corporação policial o trabalho de prevenção e apuração de crimes.

Atualmente, a Polícia Militar tem caráter preventivo e ostensivo e a Polícia Civil tem função investigativa.

Conforme modelo proposto pelo primeiro vice-presidente da Associação Nacional de Entidades de Praças Militares Estaduais, Heder Martins de Oliveira, cada força policial seria dividida pelo tipo de crime ou por território. “Hoje, no Brasil, apenas 8% dos inquéritos são concluídos. Desses 8%, apenas 3% se transformam em condenações na Justiça. A polícia de ciclo completo traria agilidade e eficiência. Não vamos conseguir reduzir o número de homicídios, principalmente dos jovens negros, pobres, das periferias, que estão tendo suas vidas ceifadas, se não mudar o sistema atual de segurança pública.”

O presidente da Associação Brasileira de Criminalística, Bruno Telles, também defendeu a instalação do modelo de ciclo completo para a polícia no Brasil para melhorar a investigação de crimes. Ele ainda destacou a necessidade de criação de um plano nacional de segurança pública que fortaleça o combate ao tráfico de drogas nas fronteiras brasileiras.

“O Estado deve retomar a legitimidade perante a população da periferia e aumentar a transparência da apuração de crimes. Também indico a desvinculação das perícias criminais das polícias civis como meio de se ter mecanismo independente para efetivamente dizer se houve ou não tortura ou se a morte é decorrente de uma violência policial”, disse Telles.

Os representantes das entidades policiais ressaltaram que apenas segurança pública não é o suficiente para diminuir a taxa de homicídios e reforçaram a necessidade de investimento em educação, geração de empregos e saúde. “Os homicídios e a violência ocorrem com mais frequência em áreas caracterizadas pela falta de emprego, baixos padrões de moradia, educação e de serviços sociais”, disse Tatiane Almeida, da Associação dos Delegados de Polícia Federal.

Dados do relatório Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência e Desigualdade Racial 2014 mostram que a população negra entre 12 anos e 29 anos é a principal vítima da violência. O estudo, divulgado na semana passada, mostra que os jovens negros no Brasil são duas vezes e meia mais vítimas de homicídio do que o jovem branco.

Comentários

comentários

Veja Também

Publicação da ata da convenção municipal do Partido dos Trabalhadores

Publicação da ata da convenção municipal da comissão provisória de Maraú do Partido dos Trabalhados …

Deixe uma resposta

error: Conteúdo pertence ao grupo Maraú Notícias!