Início / Política / PT vai decidir o que fazer na votação da MP do ajuste fiscal

PT vai decidir o que fazer na votação da MP do ajuste fiscal

A votação está prevista como o primeiro item da sessão extraordinária da Câmara na tarde de hoje, mas parlamentares não recusam a hipótese de que seja novamente adiada como ocorreu na tarde de ontem.

Em reunião fechada, o líder do partido na Câmara Sibá Machado (PT-AC) e o líder do governo José Guimarães (PT-CE) tentam afinar o discurso com alguns deputados que  insistem em votar contra o texto do governo para o ajuste fiscal.

Os deputados do partido dedicaram a maior parte do dia de ontem para fechar um acordo e votar a medida, mas outras legendas que compõem a base aliada não se sentiram seguras sobre o posicionamento do PT.

A dúvida foi aguçada após as declarações do ex-presidente Lula em um programa de televisão veiculado nessa terça-feira, quando criticou a aprovação da lei da terceirização, alertando para os prejuízos para o trabalhador brasileiro.

Com críticas e questionamentos partindo do próprio PMDB – aliado do governo -, a votação foi transferida para hoje e líderes governistas começaram o dia reunidos com o vice-presidente, Michel Temer, que tentou buscar uma solução que garantisse a aprovação da matéria.

O encontro não produziu grandes resultados e a base cobrou um posicionamento oficial do partido para que pudesse votar. O líder o PMDB, Leonardo Picciani, explicou que a questão não era mais sobre o mérito do texto, mas sobre um convencimento que “o partido do governo precisava passar”.

A medida provisória, que passou por uma intensa negociação entre o Palácio do Planalto e o Congresso, prevê que o recebimento do seguro-desemprego dependerá, no primeiro pedido do benefício, de uma carência de 12 meses de trabalho nos 18 meses anteriores à demissão.

A carência cai para nove meses no segundo pedido e para seis meses ininterruptos de trabalho nos demais pedidos do benefício. No texto original a carência era de 18 meses nos dois anos anteriores à demissão.

Outra mudança feita pelo relator, senador Paulo Rocha (PT-PA), na comissão que avaliou o assunto, foi em relação ao tempo de vínculo formal de trabalho para recebimento do abono salarial que passou dos 180 dias propostos pelo governo para 90 dias. O benefício será calculado pela mesma regra do décimo terceiro.

A medida  altera a regra para o seguro-defeso definindo o prazo de um ano, no lugar dos três defendidos no texto original, para concessão da carteira de pescador artesanal e o valor passa a ser pago pela Previdência Social.

O consenso na base governista não foi alcançado. Nem mesmo o PT teve facilidade em fechar questão e precisou se dedicar às negociações internas na bancada durante toda a tarde de ontem (5), imersos em reuniões fechadas.

O PMDB não quis fixar posição até que o partido da presidenta Dilma Roussef esclarecesse sua posição e o PDT – também da base – chegou a adiantar que não votaria a favor da proposta.

Toda a movimentação exigirá mais das lideranças do governo escaladas para a missão de buscar o consenso em apoio ao Planalto, porque a medida provisória que altera as regras para concessão de pensão por morte e auxílio-doença (MP 664), que também faz parte da estratégia de ajuste, foi aprovada ontem (5) pela comissão mista e segue para análise do Plenário da Câmara.

Nas galerias, sindicalistas ligados à Força Sindical e à Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), autorizados pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) a acompanhar as discussões em plenário, faziam coro com a oposição, engrossando a divisão dos aliados ao governo. DEM e PSDB lideram às críticas às propostas do Executivo, alertando que os trabalhadores pagariam o preço dos ajustes das contas do país.
 

Comentários

comentários

Veja Também

Publicação da ata da convenção municipal do Partido dos Trabalhadores

Publicação da ata da convenção municipal da comissão provisória de Maraú do Partido dos Trabalhados …

Deixe uma resposta

error: Conteúdo pertence ao grupo Maraú Notícias!