Início / Mundo / Exército da Nigéria diz que matou mais de 300 combatentes do Boko Haram

Exército da Nigéria diz que matou mais de 300 combatentes do Boko Haram

epa04403951 Nigerian soldiers display one of the captured Boko Haram armoured vehicles as they drive it through Maiduguri, Nigeria, 17 September 2014. The Nigerian military is currently engaged in opperations against Bo

A operação de dois dias para libertar Monguno e dez outras comunidades destruiu um esconderijo de equipamento, armas e munições, diz Exército nigeriano.Agência Lusa/EPA/Tony Nwosu

O Exército nigeriano afirmou

hoje (18) que matou mais de 300 combatentes do Boko Haram na retomada esta semana da cidade de Monguno, no estado de Borno, no Nordeste do país, que tinha sido tomada pelos jihadistas em 25 de janeiro.

“Mais de 300 terroristas foram mortos e alguns foram capturados” pelo Exército, que registrou nas suas fileiras dois mortos e dez feridos, declarou o porta-voz do Ministério da Defesa, Chris Olukolade, em comunicado.

Olukolade disse que a operação de dois dias para libertar Monguno e dez outras comunidades destruiu um esconderijo de equipamento, armas e munições, onde foram encontrados diferentes tipos de veículos blindados de combate, uma arma antiaérea, metralhadoras, cinco lança-granadas e 45 caixas de munições.

Monguno está localizada a 125 quilômetros ao Norte de Maiduguri (capital do estado de Borno), considerada pelos jihadistas uma peça-chave para a constituição do estado islâmico que pretendem implantar no Norte da Nigéria, majoritariamente muçulmano, ao contrário do Sul, de maioria cristã.

Foi em Maiduguri que nasceu em 2002 o movimento extremista Boko Haram, naquela altura uma seita, que em 2009 se transformou num grupo islamita armado, responsável até agora por 13 mil mortos e 1,5 milhão de deslocados na Nigéria.

Comentários

comentários

Veja Também

EUA suspendem isenção de vistos para 38 países de três continentes

Os Estados Unidos anunciaram hoje (16) que irão modificar as regras para isenção de vistos …

Deixe uma resposta

error: Conteúdo pertence ao grupo Maraú Notícias!