Início / Mundo / Estados Unidos fazem Cúpula contra o Extremismo Violento

Estados Unidos fazem Cúpula contra o Extremismo Violento

Começa hoje (18) em Washington uma reunião de cúpula internacional contra o extremismo violento. Promovido pela Casa Branca, o encontro teve os trabalhos iniciados ontem  (17) , mas hoje o presidente

Barack Obama deve proferir um discurso inaugural, segundo a agenda oficial. A cúpula será realizada  poucos dias depois do ataque terrorista em Copenhague, na Dinamarca, e da execução de uma trabalhadora humanitária americana que era refém do Estado Islâmico na Síria.

Amanhã (19), Obama deve se reunir com representantes do Departamento de Estado e com ministros de vários países, além de integrantes das Nações Unidas, como o secretário-geral do organismo, Ban Ki-moon. A União Europeia também será representada. Segundo a Casa Branca, mais de 60 países, incluindo 14 nações árabes, estarão presentes na cúpula.

O encontro em Washington ocorre uma semana depois de Obama ter pedido o apoio do Congresso norte-americano no combate ao Estado Islâmico, em uma declaração que não estabelece limites geográficos nem contempla operações terrestres e que deverá servir de base legal à ofensiva em curso.

A proposta determina que a autorização termine três anos após a data de promulgação da resolução, período durante o qual a Presidência deve se reportar ao Congresso a cada seis meses, renováveis.

Os Estados Unidos lideram desde setembro uma coligação internacional de combate aos jihadistas do Estado Islâmico no Iraque e na Síria.

Até o momento, quatro cidadãos norte-americanos que tinham sido feitos reféns pela organização foram executados. A última vítima foi a trabalhadora humanitária Kayla Mueller, de 26 anos, raptada em 2013 na Síria pelo grupo jihadista, que proclamou um “califado” no Norte do Iraque e da Síria em junho do ano passado.

Um dos pontos debatidos deve ser como evitar o recrutamento de jovens estrangeiros ocidentais. Segundo estimativas de organismos internacionais e da imprensa, o grupo teria entre 20 mil e 30 mil combatentes, 15 mil oriundos da Tunísia, Arábia Saudita, de Marrocos, da Jordânia e Turquia.

Uma das preocupações entre os países ocidentais e também os árabes que condenam a ação do Estado Islâmico é que os jovens estrangeiros recrutados regressem aos países de origem e cometam atentados terroristas.

Comentários

comentários

Veja Também

EUA suspendem isenção de vistos para 38 países de três continentes

Os Estados Unidos anunciaram hoje (16) que irão modificar as regras para isenção de vistos …

Deixe uma resposta

error: Conteúdo pertence ao grupo Maraú Notícias!