Início / Mundo / Xanana Gusmão renuncia e diz que deixar o cargo tornou-se obrigação moral

Xanana Gusmão renuncia e diz que deixar o cargo tornou-se obrigação moral

Xanana Gusmão

O primeiro-ministro do Timor Leste, Xanana Gusmão, pede demissãoAntônio Cruz/Agência Brasil

O primeiro-ministro timorense, que pediu demissão do cargo, disse hoje (6) à Agência Lusa que sua saída tornou-se “obrigação

moral e política” e que a decisão pretende abrir caminho à nova geração.

“Ou agora ou nunca mais e ficava a nova geração demasiadamente dependente”, afirmou Gusmão depois de participar de um debate político em Díli sobre transição política e liderança.

Ele afirmou à Lusa que prefere o termo “deixar” o cargo de primeiro-ministro do que “abandonar, que tem um significado muito pejorativo”, considerando que o momento é histórico não por sua causa, mas pelo que representa em termos de transição de uma geração.

“Histórico, talvez por se considerar que não é normal, mas eu penso que todos compreendem que a decisão foi pensada e refletida com muita profundidade”, acrescentou. “Eu acredito que vai trazer muitos benefícios. A médio prazo,as pessoas vão pensar que foi a melhor decisão”.

À pergunta se vai continuar no governo, Xanana Gusmão respondeu que isso “depende do novo primeiro-ministro”, recusando-se a confirmar, como presidente do maior partido do país, o Congresso Nacional da Resistência Timorense (CNRT), quem vai indicar ao presidente da República. “O presidente depois vai ver”, disse.

Sobre o receio de alguns setores da sociedade timorense, de que a sua saída possa causar instabilidade, o primeiro-ministro demissionário manifestou-se otimista de que isso não vai ocorrer.

“Eu não acho [que vá haver instabilidade]. Por isso é que, na minha intervenção, fiz um apelo para todos estarem calmos, para todos contribuírem da melhor forma”, observou. “E, sobretudo, aos jornais timorenses, para não especular”.

O presidente da República timorense, Taur Matan Ruak, anunciou que convocou o Conselho de Estado para uma reunião na segunda-feira (9), depois de ter recebido, nessa quinta (5), a carta de demissão. Além de convocar a reunião, “para o exercício das suas competências constitucionais”, o presidente vai ouvir novamente os partidos com representação parlamentar.

Na carta enviada, Xanana Gusmão explicou que a sua demissão se prende ao “entendimento comum” da necessidade de “uma reestruturação profunda, que permita assegurar, nestes dois anos e meio que restam ao governo, maior dinâmica em termos de eficiência”.

Comentários

comentários

Veja Também

EUA suspendem isenção de vistos para 38 países de três continentes

Os Estados Unidos anunciaram hoje (16) que irão modificar as regras para isenção de vistos …

Deixe uma resposta

error: Conteúdo pertence ao grupo Maraú Notícias!