Início / Mundo / Fifa: Hollande espera “limpeza incontestável” na organização de campeonatos

Fifa: Hollande espera “limpeza incontestável” na organização de campeonatos

O presidente francês, François Hollande, apelou hoje à ética desportiva, dentro e fora dos estádios, para garantir “uma limpeza incontestável” dentro das organizações que coordenam grandes competições desportivas.

“Considero que a ética desportiva não se refere apenas ao que se passa no gramado.

Há uma ética nas atribuições de competições e é isso que está sendo questionado”, disse Hollande quando questionado sobre o escândalo de corrupção na Fifa.

Sem mencioná-lo explicitamente, o chefe de Estado francês fez referência aos Jogos Olímpicos de 2024, que Paris pretende sediar. Além disso, a França será a anfitriã do Europeu de Futebol de 2016 e do Mundial de Futebol Feminino de 2019.

“Somos candidatos a grandes competições. Tenho confiança nas instituições que vão tomar essas decisões, que devem esclarecer o que se passou nos anos anteriores e a Justiça verificar o que aconteceu”, justificou o governante francês, reiterando a ideia de que as organizações têm de ser “incontestáveis”.

As reações surgem depois que o Departamento de Justiça dos Estados Unidos indiciou nove dirigentes ou ex-dirigentes e cinco parceiros da Fifa, acusando-os de conspiração e corrupção nos últimos 24 anos, num caso que envolve subornos no valor de US$ 151 milhões.

Entre os acusados estão dois vice-presidentes da Fifa, o uruguaio Eugenio Figueredo e Jeffrey Webb, das Ilhas Cayman e que é também presidente da Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe (Concacaf), assim como o paraguaio Nicolás Leoz, ex-presidente da Confederação da América do Sul (Conmebol).

Entre os demais indiciados estão o brasileiro José Maria Marin, membro do Comitê da Fifa para os Jogos Olímpicos Rio 2016, o costarriquenho Eduardo Li; Jack Warner, de Trinidad e Tobago; o nicaraguense Júlio Rocha, o venezuelano Rafael Esquivel e Costas Takkas, das Ilhas Cayman.

A Fifa suspendeu provisoriamente 12 pessoas de toda a atividade ligada ao futebol: os nove dirigentes ou ex-dirigentes indiciados e ainda Daryll Warner, filho de Jack Warner, Aaron Davidson e Chuck Blazer, antigo homem forte do futebol dos Estados Unidos, ex-membro do Comitê Executivo da Fifa e supostamente informante da procuradoria norte-americana, que já esteve suspenso por fraude.

A acusação surge depois de o Ministério da Justiça e a polícia da Suíça terem detido Webb, Li, Rocha, Takkas, Figueredo, Esquivel e Marin na quarta-feira, num hotel de Zurique, a dois dias das eleições para a presidência da Fifa, à qual concorrem o atual presidente, o suíço Joseph Blatter, e Ali bin Al Hussein, da Jordânia.

Simultaneamente, as autoridades suíças abriram uma investigação sobre a escolha das sedes dos Mundiais de 2018 e 2022, a Rússia e o Catar, respectivamente.

>> Acompanhe aqui a cobertura da Agência Brasil sobre a investigação na Fifa

Comentários

comentários

Veja Também

EUA suspendem isenção de vistos para 38 países de três continentes

Os Estados Unidos anunciaram hoje (16) que irão modificar as regras para isenção de vistos …

Deixe uma resposta

error: Conteúdo pertence ao grupo Maraú Notícias!