Início / Brasil / MP descarta, por enquanto, responsabilizar pilotos pela morte de Eduardo Campos

MP descarta, por enquanto, responsabilizar pilotos pela morte de Eduardo Campos

O trabalho de buscas dos corpos das vítimas do acidente com o avião Cessna, que matou o candidato à Presidência da República pelo PSB, Eduardo Campos, foi interrompido (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Equipe de busca encontra pedaços do Cessna Citation que transportava Eduardo Campos

e assessores Tânia Rêgo/Agência Brasil

O Ministério Público Federal (MPF) em Santos não responsabilizará,

por enquanto, os pilotos que do jato Cessna 560XL prefixo PR-AFA que caiu na cidade paulista em 13 de agosto do ano passado, causando a morte dos sete ocupantes, entre eles o ex-governador de Pernambuco e então candidato à Presidência da República, Eduardo Campos.

Segundo o procurador da República Thiago Lacerda Nobre, que acompanha o andamento do inquérito policial, ainda não é possível apontar a causa exata da queda. Apesar disso, a apuração já possibilitou excluir algumas hipóteses, como a entrada de aves pela turbina.

De acordo com o MPF, há evidências de que procedimentos de voo não foram respeitados quando o jato se aproximou para o pouso na Base Aérea de Santos, que fica no Guarujá. “A repentina piora das condições climáticas na região pode ter interferido na condução da aeronave e não se sabe se os pilotos haviam sido comunicados sobre essas mudanças do tempo”, informou o órgão, por meio de nota.

“Sem os dados da caixa-preta disponíveis, ainda não foi possível descobrir o conteúdo do diálogo entre eles nos minutos que antecederam o acidente. Informações preliminares indicam que a gravação de voz na cabine não foi realizada, o que dificulta a investigação”, acrescenta o Ministério Público.

O procurador destacou que o jato estava com a manutenção em dia e que o piloto e o copiloto tinham habilitação e estavam familiarizados com o equipamento. Além de terem treinamento para aviões semelhantes ao Cessna 560XL, “eles já conduziam aquela aeronave havia alguns meses e existia, inclusive, vinculação daqueles condutores à apólice de seguro firmada”.

Regulamentos internacionais consideram necessária a realização de cursos complementares, porém não houve exigências da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) neste sentido, de acordo com as investigações.

Comentários

comentários

Veja Também

Prazo para pagamento do Simples Doméstico é prorrogado até 21 de novembro

O Diário Oficial da União publicou a portaria que prorroga para 21 de novembro o …

Deixe uma resposta

error: Conteúdo pertence ao grupo Maraú Notícias!