Início / Brasil / Consultas públicas discutem Plano de Recuperação da Baía de Guanabara

Consultas públicas discutem Plano de Recuperação da Baía de Guanabara

 Em meio a críticas sobre a qualidade da água, Baía de Guanabara sediará o primeiro evento-teste para as Olimpíadas de 2016(Arquivo Agência Brasil)

Entre 70% e 80% dos esgotos que desembocam na Baía de Guanabara não são tratadosArquivo Agência Brasil

A primeira audiência pública em que o estado do Rio vai debater recursos tecnológicos e sistemas de informações que podem ser utilizados para montar o Plano de Recuperação da Baía de Guanabara ocorreu hoje (29) no Museu do Amanhã, na zona portuária da capital fluminense. Esta foi a primeira de três consultas públicas que serão feitas para criar novos parâmetros e metas mais factíveis para a despoluição da baía.

O trabalho terá a cooperação técnica da KCI Technologies, dos Estados Unidos. De acordo com a Secretaria de Estado de Ambiente (SEA), a ideia é montar um grande painel onde toda a sociedade possa acompanhar, em tempo real, os avanços dos indicadores de qualidade ambiental e as fontes poluidoras.

Integração

Segundo o secretário do Ambiente, André Correia, é preciso integrar o conhecimento acumulado pelos diversos setores sobre o problema. “Hoje a sociedade está falando diversas linguagens. A academia fala uma coisa, o governo fala outra, a sociedade tem outra visão. Então, o primeiro desafio é a gente buscar uma conversação para entender e uniformizar aonde estamos, com base técnica, com auxílio das universidades e com auxílio da Universidade de Maryland, que fez exatamente esse trabalho na Baía de Chesapeake [maior estuário dos Estados Unidos, localizado entre os estados de Maryland e Virgínia]”.

O caso da despoluição da Baía de Chesapeake, que fica na região metropolitana de Baltimore, em Maryland, é um dos modelos a ser estudado pelo Rio de Janeiro, devido às semelhanças com a Baía de Guanabara. A população da região dos Estados Unidos é de 9,3 milhões de pessoas e abrange 13 condados. No entorno da Baía de Guanabara são 8,6 milhões de pessoas em 15 municípios. Lá, foram investidos US$ 4,8 bilhões para melhoria no sistema de esgoto e drenagem, enquanto aqui entre 70% e 80% dos esgotos não são tratados.

Governança

Em meio a críticas sobre a qualidade da água, Baía de Guanabara sediará o primeiro evento-teste para as Olimpíadas de 2016(Tânia Rêgo/Arquivo Agência Brasil)

A Secretaria do Ambiente disse que diversas obras estão em andamento para despoluir a Baía da GuanabaraTânia Rêgo/ Arquivo Agência Brasil

O secretário diz que outro desafio a ser superado é desenvolver um sistema de governança que congregue todos os atores envolvidos, como prefeituras, empresas públicas e privadas e setores diferentes da administração pública nos três níveis de governo. “A gente não tem essa modelagem dos diversos atores que atuam na baía, 15 municípios cuidando de lixo, o meio ambiente, e esses atores não se falam. Então, como construir. São dois desafios ligados à institucionalidade”.

Correia diz que é necessário estipular metas factíveis e que tenha recursos para serem alcançadas, pois hoje, segundo ele, “ninguém acredita em nada que se fala da Baía de Guanabara”. “Um erro central foi de comunicação, de levantar expectativas que, pelo volume de recursos disponível, não seriam alcançadas. Não adianta você colocar uma meta se você não tem recurso financeiro para atingir. Isso que vai ser construído, vamos construir as metas juntos: academia, governo, sociedade. Não dá para colocar uma meta se você não tem o arcabouço financeiro definido. É preferível você ter uma meta de avançar 2% sabendo que tem aquele dinheiro garantido, do que falar 80% sem ter o recurso envolvido”.

A secretaria disse que diversas obras estão em andamento, o que deve elevar o esgoto tratado na região para 35% até 2018.

*Colaborou Tâmara Freire, repórter do Radiojornalismo EBC


fonte: Agência Brasil

Comentários

comentários

Veja Também

Prazo para pagamento do Simples Doméstico é prorrogado até 21 de novembro

O Diário Oficial da União publicou a portaria que prorroga para 21 de novembro o …

Deixe uma resposta

error: Conteúdo pertence ao grupo Maraú Notícias!