Início / Brasil / Morto pela ditadura militar, artista tem obras expostas em São Paulo

Morto pela ditadura militar, artista tem obras expostas em São Paulo

Entre as obras, estão desenhos produzidos em 1971, quando o artista esteve na clandestinidade

A exposição ficará aberta de 22 de abril a 29 de maio, no Centro Cultural São PauloDivulgação/Centro Cultural/SP

A exposição “Antonio Benetazzo, Permanências do Sensível” reúne cerca de 90 desenhos do artista e militante político assassinado pela ditadura militar brasileira, em 1972. A mostra, que é inédita, traz obras desconhecidas até pouco tempo, que estavam guardadas na casa de amigos a parentes do artista, além de apresentar objetos pessoais e documentos de origem biográfica.

Entre as obras, estão desenhos produzidos em 1971, quando o artista esteve na clandestinidade, além de alguns estudos e cópias do jornal Imprensa Popular – publicação oficial do Movimento de Libertação Popular (MOLIPO), redigido por Benetazzo. O curador Reinaldo Cardenuto disse à reportagem da Agência Brasil que a exposição tem duas dimensões na sociedade.

“Primeiro é a dimensão de resgatar uma memória que foi soterrada pela violência do regime militar. A primeira dimensão do projeto era finalmente tornar pública a biografia do Benetazzo, que foi alguém que teve uma participação muito intensa na resistência à ditadura, e, ao resgatar a biografia, resgatar essa obra que é de muita qualidade”, disse. Segundo o curador, a obra do artista tem sofisticação estética e também uma identidade estética muito singular.

“A segunda questão tem uma perspectiva mais política, porque se trata de trazer para o espaço público uma violência autoritária que não pode se repetir”, avaliou. A ditadura impediu a produção e circulação de obras críticas contra o regime, como ocorreu com Benetazzo. Além de inserir o artista na história da arte do país, um dos objetivos é incentivar os visitantes a refletir sobre o regime autoritário.

Morto pela ditadura militar, Antonio Benetazzo tem obras expostas em São Paulo

Desenhos produzidos em 1971, quando o artista esteve na clandestinidade, fazem parte da mostraDivulgação/Centro Cultural/SP

Uma das fases mais intensas da trajetória artística de Benetazzo foi a segunda metade da década de 1960, quando produziu mais de 150 obras, com técnicas, estilos e motivos variados. Nessa época, ele produziu autorretratos, retratos de familiares e de amigos, representações do corpo e da sexualidade feminina, abstrações com cores vibrantes, colagens pop a partir de material publicitário e nanquins, em diálogo com a estética visual dos ideogramas. O artista dedicou-se também à fotografia, registrando vistas da cidade de Caraguatatuba, detalhes da arquitetura paulistana, cliques de banners espalhados por São Paulo e retratos de pessoas na rua.

Junto às suas atividades artísticas, Benetazzo ampliou o engajamento político. A partir de 1965, rompeu com o Partido Comunista Brasileiro (PCB), por ser contra a linha pacifista e institucional de resistência aos militares adotada pelo partido, e aproximou-se da luta armada contra a ditadura.

Em 1969, entrou na clandestinidade, ainda militando pela Aliança Libertadora Nacional (ALN), e mudou-se para Cuba, onde teve treinamento de guerrilha. Fora do país, ele ajudou a fundar um novo grupo de esquerda, o Movimento de Libertação Popular (MOLIPO), que, a partir de 1971, fez várias ações revolucionárias em luta contra o regime militar.

Benetazzo voltou secretamente ao Brasil na segunda metade de 1971 e continuou atuando na clandestinidade, ajudando a desenvolver ações políticas pelo MOLIPO. No decorrer de 1972, redigiu textos do “Imprensa Popular”, jornal oficial do movimento, no qual denunciava a ditadura e defendia a luta armada como projeto de resistência contra o regime. Benetazzo foi capturado por agentes da repressão no dia 28 de outubro de 1972 e dois dias depois foi brutalmente assassinado a pedradas, no Sítio 31 de Março, em Parelheiros.

A exposição fica em cartaz de 22 de abril, quando o espaço de exposição do Centro Cultural São Paulo será reaberto após período de obras, até 29 de maio, com entrada gratuita. Os horários de funcionamento são: de terça a sexta, das 10h às 20h; e sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h.


fonte: Agência Brasil

Comentários

comentários

Veja Também

Prazo para pagamento do Simples Doméstico é prorrogado até 21 de novembro

O Diário Oficial da União publicou a portaria que prorroga para 21 de novembro o …

Deixe uma resposta

error: Conteúdo pertence ao grupo Maraú Notícias!