Início / Brasil / Empresário brasileiro pagará multa de US$ 151 milhões por corrupção na Fifa

Empresário brasileiro pagará multa de US$ 151 milhões por corrupção na Fifa

O empresário José Hawilla, fundador da multinacional de marketing esportivo Traffic Group, fez um acordo e pagará multa de US$ 151 milhões por participação no esquema de corrupção na Federação Internacional de Futebol (Fifa).

Segundo o Departamento de Justiça dos Estados Unidos (EUA), Hawilla confessou a participação nos crimes de extorsão, fraude eletrônica, lavagem de dinheiro e obstrução da Justiça. Desse montante, US$ 25 milhões foram pagos no momento do acordo, firmado em dezembro de 2014.

O advogado do empresário, José Luis de Oliveira, disse que Hawilla “apoia as investigações e prestou esclarecimentos às autoridades americanas”. Segundo o defensor, a multa será paga pela filial norteamericana da Traffic. De acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, o dinheiro será mantido sob juízo para ser usado como reparação às vítimas dos crimes cometidos pelos 14 réus no processo.

A Traffic comercializa com exclusividade direitos de televisão de diversas competições de futebol, como a Copa do Mundo da Fifa, a Copa Libertadores e a Champions League da Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caraíbas (Concaf). Hawilla também é proprietário da TV TEM, afiliada da Rede Globo que transmite para 318 municípios do interior paulista.

Na manhã de hoje (27), uma operação conjunta entre autoridades suíças e norteamericanas prendeu sete dirigentes da Fifa em Zurique. Além do ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) José Maria Marin, foram detidos Jeffrey Webb, Eduardo Li, Julio Rocha, Costas Takkas, Eugenio Figueredo e Rafael Esquive.

Os presos deverão ser extraditados para os Estados Unidos, onde a procuradoria de Nova York os indiciou por extorsão e corrupção. O Ministério Público da Confederação Helvética instaurou nesta quarta-feira um processo penal para apurar as suspeitas de pagamento de suborno aos dirigentes para a escolha dos países-sede das duas próximas Copas do Mundo: Rússia, em 2018, e Catar, em 2022.

As autoridades dos EUA afirmam que o esquema de corrupção no futebol já dura 24 anos e envolve ao menos duas gerações de dirigentes da federação. “Os réus, incluídos os executivos de marketing da América do Sul e EUA, são citados por terem sistematicamente aceitado e pago mais de US$ 150 milhões em subornos e propinas para obter lucrativos direitos de mídia e marketing de torneios internacionais de futebol”, diz o comunicado do Departamento de Justiça.

A Federação Internacional de Futebol (Fifa) afirmou que acolhe “com satisfação” as investigações. Segundo o diretor de comunicação, Walter de Gregório, a entidade é vítima do suposto esquema fraudulento e está cooperando com a apuração.

A reportagem da Agência Brasil entrou em contato com os advogados de José Maria Marin no Brasil, mas ainda não obteve resposta.

Comentários

comentários

Veja Também

Prazo para pagamento do Simples Doméstico é prorrogado até 21 de novembro

O Diário Oficial da União publicou a portaria que prorroga para 21 de novembro o …

Deixe uma resposta

error: Conteúdo pertence ao grupo Maraú Notícias!