Início / Brasil / Ministério lança campanha de doação de leite materno para bebês prematuros

Ministério lança campanha de doação de leite materno para bebês prematuros

Em comemoração ao Dia Mundial de Doação de Leite Humano, celebrado ontem (19), o Ministério da Saúde lançou hoje (20) a Campanha Nacional de Doação de Leite Materno. O tema deste ano é “Seja doadora de leite materno e faça a diferença na vida de muitas crianças” e o público alvo são bebês prematuros.

A campanha tem como objetivo aumentar o número de novas doadoras voluntárias e o volume de leite materno coletado e distribuído para recém-nascidos, especialmente prematuros de baixo peso internados em unidades de saúde. Atualmente, o volume de leite materno coletado representa de 55% a 60% da real demanda no país.

“Nossa meta é que a gente consiga ampliar em 15% a doação de leite humano voltado prioritariamente para bebês prematuros. Um litro de leite humano vai auxiliar dez bebês prematuros. É fundamental que todas possam fazer parte dessa história”, destacou a ministra interina da Saúde, Ana Paula Soter.

Dados do Ministério indicam que, de janeiro a dezembro de 2014, foram coletados em todo o Brasil 184 mil litros de leite materno, beneficiando 178 mil recém-nascidos. Ao todo, 164 mil mulheres doaram leite neste período. De 2008 até 2014, aumentou em 11% no volume de coletas de leite materno no país.

“Hoje em dia, felizmente, as pessoas já têm noção da importância do leite materno”, avaliou o coordenador da Área de Saúde da Criança e Aleitamento Materno, Paulo Bonilha. Ele lembrou que a orientação da Organização Mundial da Saúde é pelo aleitamento materno exclusivo até os 6 meses de vida e pelo aleitamento complementar até os 2 anos ou mais.

Números apresentados pelo ministério mostram que o consumo de leite materno é capaz de reduzir a mortalidade infantil (crianças menores de 5 anos) em até 13%. No Brasil, 67,7% das crianças mamam na primeira hora de vida e a duração média do aleitamento materno exclusivo é de 54 dias. Além disso, 41% dos menores de 6 meses tiveram alimentação exclusivamente por leite materno.

A rede brasileira conta com 215 bancos de leite e 98 postos de coleta. Atualmente, todos os estados têm pelo menos um banco de leite, mas o Distrito Federal é a única unidade federativa que consegue ter suficiência de leite humano para todos os prematuros.

Danielle Oliveira, 30 anos, é mãe de João Vitor, prematuro que nasceu após 26 semanas de gestação pesando menos de 1 quilo. Apesar das dificuldades enfrentadas no dia a dia, ela retira leite para dar ao filho, ainda internado, e também para doar aos demais bebês prematuros que precisam do alimento.

“É muito difícil ter um bebê na UTI [unidade de terapia intensiva] e um seio cheio de leite. A melhor coisa a se fazer é doar. Além disso, você supre um pouquinho daquela angústia de não ter o seu bebê no seu colo. São poucos minutinhos na sua vida que fazem muita diferença.”

Viviane Leal da Silva, 25 anos, vive uma história similar – é mãe de Vitor Hugo, que também nasceu prematuro, após 32 semanas de gestação e pesando pouco mais de 800 gramas. A diferença é que, no caso de Viviane, seu leite não é suficiente para suprir a demanda do filho internado e ela precisa utilizar o estoque do banco de leite.

“Quando ele melhorar, pretendo ser doadora. A gente não sabe a importância que tem o leite. Para a gente, é muito pouco, mas faz diferença. Se o meu filho não estivesse recebendo esse leite, ele não teria uma recuperação tão boa como está tendo. Hoje, ele está com 1 mês e pesa 1,2 quilo.”

De acordo com o Ministério da Saúde, com o leite materno, o bebê fica protegido de infecções, diarreias e alergias. Além disso, a criança cresce com mais saúde, ganha peso mais rápido e fica menos tempo internado. O aleitamento materno também diminui o risco de doenças como hipertensão, colesterol alto, diabetes e obesidade.

Já para a mãe, a amamentação ajuda o útero a recuperar seu tamanho original, diminuindo o risco de hemorragia e de anemia. As chances de adquirir diabetes ou de desenvolver câncer de mama e de ovário também diminuem significativamente com a amamentação.

Ainda segundo a pasta, toda mulher que amamenta é uma possível doadora de leite humano. Basta estar saudável e não estar tomando nenhum medicamento que interfira na amamentação. Quem tiver interesse em doar leite materno deve procurar o banco de leite mais próximo ou ligar para o Disque Saúde no número 136.

Comentários

comentários

Veja Também

Prazo para pagamento do Simples Doméstico é prorrogado até 21 de novembro

O Diário Oficial da União publicou a portaria que prorroga para 21 de novembro o …

Deixe uma resposta

error: Conteúdo pertence ao grupo Maraú Notícias!