Início / Brasil / BNDES lança programa para financiar recuperação de biomas como Cerrado e Pampas

BNDES lança programa para financiar recuperação de biomas como Cerrado e Pampas

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social e o Ministério do Meio Ambiente lançaram hoje (5) o programa BNDES Restauração Ecológica, que vai financiar com recursos não reembolsáveis, projetos de recuperação da vegetação nativa em biomas como a Mata Atlântica, os Pampas e o Cerrado.

A primeira fase do programa contará com recursos de R$ 20 milhões e começará com foco na Mata Atlântica, bioma que era atendido pelo programa BNDES Mata Atlântica, já encerrado e que contribuiu para a formulação do atual programa. A Mata Atlântica é considerada prioritária por estar próxima da população urbana, por ser a que possui menor vegetação nativa remanescente e também por seu papel na manutenção do abastecimento de água na região Sudeste.

O presidente do banco, Luciano Coutinho, considerou o programa um passo inicial para aumentar a escala da restauração ecológica no Brasil: “Temos um imenso desafio pela frente, e esse desafio é de 12 milhões de hectares nos próximos 20 anos, de recuperação no Plano Nacional de Recuperação da Vegetação Nativa. É um superdesafio, e esse é um pequeno passo inicial. Um passo que temos muito orgulho de fazer e ao qual se sucederão outros”.

A ministra Izabella Teixeira considerou 12 milhões de hectares um prognóstico conservador. “Mas, para quem tinha zero, 12 milhões passa a ser um sonho de consumo”, disse. Segundo a ministra, o Cadastro Ambiental Rural mostrou que há, pelo menos, 22 milhões de hectares a serem restaurados: ” temos que ser competitivos, temos que ter inovação tecnológica e temos que usar isso a favor do nosso desenvolvimento e não como restrição”.

As regras para se candidatar ao financiamento serão divulgadas na tarde de hoje, no site do banco, e o prazo para submeter um projeto vai até o próximo dia 3 de julho. As iniciativas deverão propor a recuperação de áreas com entre 200 e 400 hectares, sem a necessidade de serem contínuas.

As áreas a serem recuperadas poderão ser em unidades de conservação, de posse ou domínio público, em Reserva Particular do Patrimônio Natural constituídas voluntariamente, em Reserva Legal e em Assentamentos da Reforma Agrária ou em Territórios Quilombolas, em terras indígenas reconhecidas pela Fundação Nacional do Índio e em áreas de preservação permanente (APP). Poderão ser financiadas aquisição de sementes, mudas, insumos, máquinas e equipamentos, cercas, viveiros de espécies nativas, mão de obra, pesquisas e outros investimentos.

O diretor do BNDES José Henrique Paim, que está à frente do projeto, afirmou que a iniciativa vai atender a um aumento da demanda por restauração que virá como resultado do Código Florestal e um dos objetivos será fortalecer a cadeia técnica do setor de restauração ecológica no Brasil.

Todos os biomas brasileiros poderão ser contemplados, com atual exceção da Amazônia, que já conta com o Fundo Amazônia.

Na iniciativa Mata Atlântica, encerrada com o lançamento do Programa BNDES Restauração Ecológica, 15 projetos foram financiados com R$ 43 milhões para a recuperação de 3 mil hectares. Os trabalhos já foram iniciados em 1,8 mil hectares. 

Comentários

comentários

Veja Também

Epidemia do vírus Zika no Brasil completa um ano com desafio na área de pesquisa

Na próxima sexta-feira, (11) completa-se um ano desde que o Brasil foi oficialmente atingido por …

Deixe uma resposta

error: Conteúdo pertence ao grupo Maraú Notícias!